January 30 2015

Jeniffer Elaina da Silva

Comprar ou alugar um rastreador?

300x250

Comprar ou alugar um rastreador?O carro próprio é o sonho de consumo de muita gente. Não é por menos que o brasileiro é conhecido, até hoje, como um dos mais apaixonados por veículos. E tamanha devoção exige, também, muita dedicação para proteger o seu bem tão precioso.

É por isso que muitos condutores se veem diante do dilema de escolher entre o seguro automotivo e o rastreador. Vamos analisar a questão sobre outro prisma: o cenário em que o proprietário escolheu investir a segurança do seu carro em um rastreador.

Com o primeiro desafio vencido, fica a nova dúvida na cabeça do consumidor que optou pelo rastreador. Vale mais a pena comprar o equipamento ou alugá-lo?

Compra ou comodato? Eis a questão!

Já que o rastreador tem se tornado, aos poucos, preferência nacional pela qualidade oferecida e, também, pela economia no orçamento, se comparado com os altos valores cobrados pelas seguradoras, o consumidor fica atento nas duas formas mais populares no mercado para se adquirir um rastreador: por compra ou comodato.

Para entender melhor o que cada um oferece, vamos analisar a opção de compra, primeiramente. Com ela, o condutor deve arcar com as despesas dos equipamentos, além de ter uma contribuição mensal pelo monitoramento do veículo.

Com isso definido, passemos ao comodato, ou seja: o aluguel dos equipamentos. Optando por esse tipo de serviço, o proprietário possui uma despesa mensal apenas pelo monitoramento 24 horas do seu bem automotivo. Em geral, nesta opção, os equipamentos, e até mesmo a manutenção dos mesmos, costuma ficar por conta da prestadora de serviço.

Assim sendo, muitos especialistas têm recomendado aos consumidores que, entre compra e comodato, a segunda opção seja a eleita. Isso porque o cliente não irá arcar com as despesas do equipamento, em primeiro lugar, e terá garantia ilimitada.

Além disso, caso o proprietário do veículo – o contratante –deseje o cancelamento do serviço, basta que se pague a taxa de desinstalação e devolva o rastreador para a empresa contratada. Dessa forma, a economia é maior durante todo o período de contratação.

Por sua vez, ao comprar um rastreador – opção muito indicada pelos vendedores, por sinal –, o cliente tem mais encargos. Além da mensalidade pelo monitoramento, ele adquire o equipamento que será utilizado. Mas a sua garantia é limitada e, além da taxa citada de desinstalação, o proprietário fica com um equipamento sem utilidade se decidir por não mais utilizá-lo.

Sobre o autor: Jeniffer Elaina da Silva

Jeniffer Elaina trabalha como Editora freelancer, tendo mais de três anos de experiência em escrita e revisão de artigos para web. É formada em Marketing com pós-graduação em Administração de Empresas na FGV Bauru. Sua maior paixão é poder compartilhar conhecimentos e aprender um pouco mais a cada dia.


Discussão

Sem comentários. Seja o primeiro a responder!

Postar um comentário

Os comentários estão encerrados.