February 25 2014

Roberta Clarissa Leite

Motoboy- o profissional da velocidade entre entregas e serviços

300x250

A fatia de empregos para motoboys ou motoqueiros já faz diferença na economia brasileira, estima-se que há mais de 1 milhão de profissionais que usam motos para fazer entregas de produtos e realizar serviços nas cidades brasileiras.

Só no estado de São Paulo, de acordo com Sindimoto(Sindicato dos Mensageiros Motociclistas, Ciclistas e Moto-Taxistas do Estado de São Paulo), são 220 mil motoqueiros. A função foi considerada profissão regulamentada depois da sanção da lei pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2009.

Com a aprovação da regulamentação, para ser um motoboy o candidato deve ter 21 anos completos, dois anos de Carteira Nacional de Habilitação na categoria “A”(motocicleta), além de habilitação em curso especializado regulamentado pelo Contran e seguir uma série de obrigações.

Apesar de ser uma profissão considerada perigosa, é muito procurada por jovens que buscam trabalho ao completarem a idade exigida. Porém o risco sob o qual o motorista passa diariamente enfrentando o trânsito e buscando alta velocidade, provoca muita polêmica sobre a segurança no trânsito. Inclusive um dos quesitos mais importantes para quem faz entregas, é realizá-las em um curto período de tempo, o que torna o percurso muitas vezes mais arriscado.

Mantendo a segurança do motoqueiro e dos outros motoristas

A imagem do motoboy não é tão positiva para muitos motoristas de carros, pela forma “costurada” que muitos motoqueiros dirigem em busca de caminhos mais curtos nas vias, desviando de outros motoristas. De acordo com a Abraciclo (Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclo motores, Motonetas, Bicicletas e Similares), programas de treinamento específicos são elaborados para melhoria e uso racional da motocicleta.

Aproveite e faça uma cotação de quanto fica um rastreador para o seu carro.

O fato é que as motos devem seguir as regras de circulação geral de todos os outros veículos e manter a distância de segurança, lateral ou frontal, de outro veículo e, principalmente, não tentar ultrapassar em ziguezague os outros veículos nas vias.

O Sistema de Informações de Mortalidade (SIM), criado pelo Ministério da Saúde, revelou que em 10 anos o número de mortes por acidentes com motos aumentou 263,5%, a frota de motocicletas aumentou 300% entre 2001 e 2011.

Mas a procura por segurança também é observada por parte dos motoqueiros. A procura pelo seguro auto já demonstra uma preocupação em prevenir problemas ocorridos durante o exercício da profissão. Além disso, para driblar o perigo, a colocação de rastreadores já ganha mais espaço para essa fatia do mercado. Como muitos motoqueiros percorrem longos trajetos e estacionam frequentemente em locais distintos, o rastreador oferece mais segurança para o dono da moto.

Que itens de segurança você acha mais importante para uma moto?

Sobre o autor: Roberta Clarissa Leite

Roberta Clarissa Leite é jornalista e radialista, com 10 anos de experência em radiofônia, é pesquisadora de literatura popular do nordeste brasileiro. Lançou em 2010 o documentário Nordeste que Rima, premiado pelo Ministério da Cultura do Brasil. Uma de suas paixões é viajar e compartilhar suas experiências com o público, além de estar sempre interessada em aprender novas línguas.


Discussão

Sem comentários. Seja o primeiro a responder!

Postar um comentário

Os comentários estão encerrados.