September 25 2013

Andréia Silveira

Quase 2 milhões, esse é o número de rastreadores para veículos vendidos no Brasil em 2012

300x250

Quase 2 milhões, esse é o número de rastreadores para veículos vendidos no Brasil em 2012

Pesquisa mostra que setor de venda de rastreamentos teve movimentação finaceira de R$ 1,5 bilhão e 39% das empresas que negociam nesse mercado devem investir ainda mais até o final de 2014.

Números confirmam crescimento de mercado

Os números foram revelados pela IDC( International Data Corporation), empresa de consultoria de inteligência de mercado. Foram comercializados, somente em 2012, 1,94 milhão de dispositivos de rastreamento de veículos e de frotas, a movimentação gira em torno de R$ 1,5 bilhão.

Ainda de acordo com a pesquisa, a fatia de 39% das empresas que já lidam com esse mercado, devem ampliar o investimento desses recursos até o fim de 2014.

De acordo com o analista da IDC, Samuel Carvalho, o investimento pelas empresas que possuem frotas de carga, é impulsionado principalmente para evitar o roubo de cargas, controlar as horas trabalhadas pelos motoristas, e consequentemente, reduzir custos. Para os motoristas de auto, o principal motivo pela busca dos rastreadores é o crescente número de roubos de veículos.

Novidade no mercado de rastreadores

As seguradoras, as companhias de frotas e o varejo estão no topo quanto ao gasto com esse tipo de tecnologia. Mas um novo nicho é apontado pelo pesquisa – o de iscas eletrônicas, as iscas artificiais com movimento. Foram R$ 64 milhões em 2012 e espera-se que o crescimento se mantenha em 30% nos próximos anos.

Mas sem dúvidas a maior fatia desse mercado é ligada aos carros. Foram 64% dos dispositivos instalados em veículos leves e 35% em pesados. Samuel Carvalho explica: “Esse é um setor muito promissor e a demanda para consumidor corporativo está mais evidente tanto para frota pesada, um pouco mais madura, quanto para a leve, que possui baixo índice de penetração”.

A pesquisa destaca algumas observações que o consumidor deve se ater ao comprar o produto: ficar atento à qualidade do rastreador; a qualidade do portal de acesso de informações; a eficiência da busca no caso de roubo; e a eficácia da assistência técnica.

Futuro promissor

A IDC indica um crescimento de 14% nas vendas dos ratreadores entre 2013 e 2017, com aumento de receita de 11%. Apesar da Resolução do Cotran dispor que veículos saídos da fábrica devem possuir equipamento anti-furto. Criada em 2007, a resolução ainda não entrou em vigor.

Sobre o autor: Andréia Silveira

Andréia Silveira está cursando Turismo e fez diversos cursos na área de tecnologia. É escritora freelancer e tem uma enorme paixão pela escrita, com o interesse na criação e publicação de artigos de qualidade em diversas áreas do conhecimento.


Discussão

Alair Gomes April 3, 2014 at 1:02 pm

Bom dia,

Eu entendo que a Bbom – Grupo Embrasysten, que hoje está bloqueada pela justiça Federal de Goiás (por motivos ainda não justificados), foi uma das responsáveis por estes índices altos de comercialização de Rastreadores veiculares no País.

Eu gostaria de saber mais detalhes sobre a acusação da Empresa Bbom e de seus rastreadores.

Muito obrigado.

luis Somel June 27, 2014 at 8:16 pm

Bom dia,

Gostaria de saber proporcionalmente quanto significa 14% entre 2014 a 2017 em veículos utilitários e frotas, aguardo retorno, e outra pergunta: sobre a disponibilidade de empresas emergentes neste nicho de mercado nesta mesma proporção, ou neste mesmo espaço de mercado.

Obrigado.

angelisia garcez da silva November 4, 2014 at 8:41 pm

Boa noite,
Quero me tornar uma revendedora, vocês podem me dá uma oportunidade?
Agradeço desde já.

Postar um comentário

Os comentários estão encerrados.